Ordens do Amor – Parte 1

Ao longo destes anos que trabalho diariamente com Constelações Familiares, percebi a necessidade da maior divulgação das ordens do amor.

Muitos dos textos que escrevo são frutos de experiências reais no consultório ou canalizações de mensagens que buscam a evolução da alma humana. Mas sempre digo a todos que vêm a mim sobre o criador, ou descobridor, desta abordagem maravilhosa de cura da alma: Bert Hellinger.

A ele é atribuída a descoberta dos princípios que atuam inconscientemente dentro das famílias e o caminho da solução para vivermos em paz com nossa história.

Decidi, portanto, compartilhar com todos um material didático e maravilhoso transcrito de palestras feitas por ele e traduzido do alemão para o português há 10 anos chamado “Para que o Amor dê certo”.

Muitos outros livros vieram depois deste primeiro material e a técnica nunca parou de evoluir. De Constelações Familiares para Movimentos da Alma e depois Movimentos do Espírito. Mas a essência e os princípios deste material se preservaram ao longo do tempo.

Trarei em 2 partes para maior compreensão e para que possamos assimilar aos poucos, na Alma, tudo o que se apresenta. Juntamente com essa primeira parte, disponibilizo a todos uma entrevista minha do 1º. semestre onde detalho e exploro o inicio de tudo: a relação com a Mãe.

Introdução do texto Para que o Amor dê certo – Bert Hellinger

Muita gente julga que o amor tem o poder de superar tudo, que é preciso apenas amar bastante e tudo ficará bem. Contudo, a experiência mostra que isto não é verdade. Muitos pais são forçados a experimentar que, apesar do amor que dão a seus filhos, estes não se desenvolvem como eles esperavam. São forçados a ver seus filhos adoecerem, se drogarem ou se suicidarem, apesar de todo o amor que lhes dão. Para que o amor dê certo, é preciso que exista alguma outra coisa ao lado dele. É necessário que haja o conhecimento e o reconhecimento de uma ordem oculta do amor.

ORDEM E AMOR
O amor preenche o que a ordem abarca.
O amor é a água, a ordem é o jarro.
A ordem ajunta,
o amor flui.
Ordem e amor atuam juntos.
Como uma linda canção obedece às harmonias,
assim o amor obedece à ordem.
Assim como o ouvido dificilmente se acostuma
às dissonâncias, mesmo quando são explicadas,
assim também nossa alma dificilmente se acostuma
ao amor sem ordem.
Muita gente trata essa ordem
como se ela fosse uma opinião
que se pode ter ou mudar à vontade.
Contudo, ela nos preexiste.
Ela atua, mesmo que não a entendamos.
Não é inventada, mas encontrada.
É por seus efeitos que a descobrimos,
Como descobrimos o sentido e a alma.

Muitas dessas ordens são ocultas. Não podemos sondá-las.
Elas atuam nas profundezas da alma e, freqüentemente, as encobrimos com pensamentos, objeções, desejos e medos.
É preciso tocar no fundo da alma para vivenciar as ordens do amor.

Leia mais aqui:https://nathaliefavaron.com.br/ordens-amor/

Digo sempre que a Constelação não é para ser entendida mas, sim, vivenciada diretamente na Alma.

Sejam todos muito bem-vindos!

Ouça aqui abaixo a entrevista!

 

[mp3j track=”http://somostodosum.ig.com.br/clube/podcast/cl_23033.mp3″ title=”Constelação Familiar” fontsize=”30px” flip=”y”]

Compartilhar: