Como se proteger de energias densas

Quero, neste artigo, orientar aqueles que se propõem a ajudar alguém na compreensão e cura de suas dores.

Energias densas são reais e podem surgir à partir de pensamentos repetitivos, emoções bloqueadas e presenças espirituais.

Como terapeuta, encontro diariamente sistemas presos na dor e na tristeza de fatos dramáticos e traumas profundos.

Explico portanto, como faço e empresto essa ideia até que você possa construir seu modo pessoal de fazer isso.

Tenho observado que ao nos conectarmos com as histórias difíceis de nosso sistema, tais como, a morte prematura de alguém, um acidente fatal, guerras ou suicídios, sentimos imediatamente o peso desses destinos em nosso próprio corpo.

Se buscarmos inocentemente uma solução para todas essas questões, é provável que teremos um embate com forças muito superiores a nós.

Nos envolveremos com a ordem divina, o mundo dos espíritos e correremos o risco de ficarmos presos a estes buracos energéticos que consomem a energia vital.

Qual o caminho para aliviar a dor de um cliente e não sobrecarregar o terapeuta?

Ou como ouvir a história de alguém querido e não se misturar com ela.

Primeiro, devo buscar em mim a conexão com a vida e a morte.
A minha e daqueles que já se foram, no meu sistema.
Estou tranquila com isso?
Já trabalhei internamente a despedida com aqueles que não estão mais presentes?
Se a resposta for sim, eu posso continuar.

Caso contrário, se a ressonância for muito grande com alguma história que eu carrego, o passo inicial seria curar isso em mim para, somente depois, buscar auxiliar outra pessoa dentro de seu drama particular.
Feita essa primeira checagem de segurança, recorro a uma proteção maior que a situação em si.
Quais são as suas egrégoras de proteção? Seus anjos, mentores, recursos?
Busque ter clareza e ligação com algo acima de nós e desse plano físico para apoiar sua energia pessoal.

Apenas após esse passo é que verdadeiramente me conecto com o campo do cliente.
Ao abrir minha percepção para as histórias, pergunto-me: o que mantém essa pessoa ligada à vida?
Quais são seus motivos para viver?
Quais são seus objetivos na vida, sua missão, seu propósito divino?

Devemos buscar recursos reais no sistema do cliente que possam dar sentido à escolha essencial neste tipo de vivência.

A decisão entre ir ou ficar.

Entre morrer ou viver.

Entre viver a vida morto por dentro ou aproveitando e desfrutando a cada dia.

Ao permitir que essa decisão surja da alma do seu cliente, com tempo para acolher o movimento e assistir muitas vezes a luta interna entre seguir aqueles que já morreram ou permanecer na vida aproveitando o melhor dela, faz deste tipo de sessão um aprendizado para aqueles que se dispõem a enfrentar o desafio.

Aprender a acompanhar alguém neste embate de alma pode trazer para ambos, cliente e terapeuta, a chance de dar um novo significado a conexão com a vida e com Deus.

Pode ser um convite para o amadurecimento espiritual e um ganho sem fim para a relação terapêutica.

Compartilhar: